Quinta-feira, 23 de Maio, 2024

ONU coloca Moçambique e Guiné-Bissau entre os 10 países mais pobres de África

A secretária-executiva adjunta da Comissão Económica das Nações Unidas para África (UNECA) disse hoje que Moçambique e Guiné-Bissau estão entre os dez países mais pobres de África, chamando a atenção para a degradação da economia do continente.

“Hoje, 546 milhões de pessoas estão a viver na pobreza, o que é um aumento de 74% face a 1990”, disse Hanan Morsy no final da 55ª conferência dos ministros das Finanças, Planeamento e Desenvolvimento Económico africanos, que decorreu esta semana em Adis Abeba, e na qual afirmou que Moçambique e Guiné-Bissau estão na lista dos dez países onde entre 60 a 82% da população é pobre, sem dar mais dados.

“Os choques globais têm um efeito de cascata nos mais pobres em África através da inflação que, em 2022, ficou nos 12,3%, o que é muito mais elevado do que os 6,7% registados a nível mundial”, acrescentou a economista.

De acordo com as estimativas da UNECA, as famílias africanas gastam até 40% do rendimento familiar em produtos alimentares, pelo que o impacto da subida dos alimentos tem um “efeito mais severo em África, principalmente nos mais pobres”, afirmou.

A forte dependência dos países africanos das importações tornou o continente vulnerável aos choques externos, vincaram os ministros, de acordo com o comunicado final da conferência, no qual se lê que 39 dos 54 países da região são importadores líquidos de produtos alimentares e que, em 2021, o continente exportou apenas 5,7 mil milhões de dólares (5,3 mil milhões de euros) de petróleo refinado e importou 44 mil milhões de dólares (quase 41 mil milhões de euros), apesar de produzir mais do que consome.

As dificuldades resultantes das crises alimentares e energéticas juntam-se também à falta de espaço orçamental para imprimir medidas que possam fazer acelerar a recuperação da economia do continente, que deverá crescer menos de 4% este ano, abaixo do crescimento da população.

“Sair dos baixos níveis de rendimento e riqueza está a ser ainda mais difícil devido aos desafios das alterações climáticas, como se viu recentemente nas inundações em Madagáscar, Maláui e Moçambique”, lê-se no comunicado, que lamenta também a crise da dívida pública neste país lusófono, que “pode minar todo o crescimento dos últimos 23 anos”.

Os peritos e os ministros alertaram que os países africanos continuam a enfrentar uma queda das receitas, um aumento da dívida pública e um espaço orçamental cada vez menor, com o rácio da dívida a aumentar de 57,1% em 2019, para 64,5% no ano passado.

A conferência dos ministros africanos teve como tema ‘Potenciar a Recuperação e Transformação de África para reduzir as desigualdades e as vulnerabilidades’.

Lusa

×
×

Cart