Quinta-feira, 23 de Maio, 2024

EUA reconhecem que a China ainda não entregou armas à Rússia

O secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, admitiu hoje que a China ainda não “cruzou a linha” de entregar armas letais à Rússia, na guerra na Ucrânia.

“Até ao momento, não os vimos cruzar essa linha”, disse Blinken, respondendo a uma pergunta durante uma audiência no Senado dos EUA, em Washington.

Há várias semanas que a diplomacia norte-americana exerce intensa pressão diplomática sobre a China para impedi-la de entregar equipamentos militares a Moscovo.

“Considero que o apoio diplomático, político e, até certo ponto, material (da China) à Rússia é, obviamente, contra os nossos interesses, que queremos ver esta guerra terminar”, indicou Blinken ao Congresso.

Blinken defendeu ainda a necessidade de o seu país regressar à UNESCO para contrariar a influência que a China tem na organização.

O Governo do ex-Presidente Donald Trump (2017-2021) retirou-se em 2018 da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

O chefe da diplomacia norte-americana justificou agora a intenção de reverter esta posição, alegando que “a China é atualmente o maior contribuinte da UNESCO”, pelo que os EUA devem procurar contrariar a hegemonia de Pequim nesta organização.

Por outro lado, Blinken sublinhou que este organismo está a tratar importantes regulamentações sobre inteligência artificial ou sobre planos de educação em todo o mundo, dizendo que os Estados Unidos não se podem alhear destas discussões.

“Acredito firmemente que devemos voltar à UNESCO. Não para dar um presente (à organização), mas porque as coisas que estão a acontecer na UNESCO realmente importam”, explicou Blinken.

O secretário de Estado propôs ainda ao Congresso aumentar o orçamento dos EUA para a região do Indo-Pacífico em 18% para “fortalecer as políticas para superar a China”.

Nesse sentido, Blinken disse ser necessário realizar novos investimentos para aumentar a presença dos Estados Unidos na região em questões de segurança marítima, energia limpa e novas tecnologias.

Blinken reconheceu que os Estados Unidos enfrentam dois grandes desafios de política externa: a contínua invasão russa da Ucrânia e “o desafio de longo prazo” representado por Pequim.

Lusa

×
×

Cart