Terça-feira, 16 de Abril, 2024

CEDEAO alerta para “tendência perigosa” de “contágio” dos golpes de Estado em África

O presidente da organização da África Ocidental alertou hoje para uma “tendência perigosa” de “contágio” de golpes de Estado em África, após uma tentativa falhada na Guiné-Bissau há dois dias e quatro bem-sucedidos desde agosto de 2020.

No seu discurso na abertura da cimeira extraordinária dos líderes da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), que se realiza hoje em Acra, o chefe de Estado do Gana, Nana Akufo-Addo, afirmou que a reunião “incidirá sobre as ameaças emergentes na (…) região, decorrentes da interferência militar no Mali, e que o contágio está a influenciar a Guiné [Conacri] e o Burkina Faso”.

O líder ganês e presidente rotativo da CEDEAO recordou a tentativa falhada de golpe de Estado na Guiné-Bissau, na passada terça-feira, e aplaudiu o Presidente daquele país, Umaro Sissoco Embaló, “por manter as instituições democráticas da República”.

Akufo-Addo alertou que esta é uma “tendência perigosa”, que deve ser enfrentada “coletiva e resolutamente, antes de varrer toda a região”, depois de o Mali ter sofrido dois golpes de Estado desde agosto de 2020, de ter ocorrido um outro na Guiné-Conacri (em setembro de 2021) e mais um no Burkina Faso, a 24 de janeiro.

“Estes desenvolvimentos desafiam o modo de vida democrático que escolhemos”, acrescentou o líder, cujo país detém a presidência rotativa do bloco regional de 15 nações, observando que esta é uma questão de “grande preocupação”.

A CEDEAO realizou uma cimeira virtual extraordinária a 28 de janeiro, para analisar a situação no Burkina Faso após o golpe de Estado dias antes, na qual os seus líderes decidiram suspender a participação do país nas suas instituições e enviar duas missões – uma militar e uma ministerial – à capital daquele Estado, Ouagadougou, para falar com os autores do golpe de Estado.

Os militares tomaram o poder no Burkina Faso, no dia 24 de janeiro, após um tiroteio do dia anterior em vários quartéis, em Ouagadougou e outras cidades, incidentes que foram inicialmente descritos como um alegado motim para exigir melhoria das condições nas Forças Armadas.

O golpe foi confirmado depois de membros da junta militar terem aparecido na televisão estatal RTB a anunciar que tinham deposto o Presidente Roch Kaboré, bem como outras medidas, tais como a dissolução do governo e do parlamento e a suspensão da Constituição (que foi parcialmente restaurada a 31 de janeiro).

“Esperamos que as nossas deliberações forneçam decisões informadas, que possam inverter uma trajetória política deteriorada na nossa região, caracterizada por recuos democráticos e pela fragilidade dos nossos sistemas de segurança”, afirmou hoje Akufo-Addo.

Na reunião extraordinária de hoje, os chefes de Estado e de Governo da CEDEAO examinarão também os desenvolvimentos na Guiné-Conacri e no Mali.

Lusa

×
×

Cart