UE denuncia nova vaga de ataques russos contra infraestruturas energéticas

O Alto Representante da União Europeia (UE) para a Política Externa, Josep Borrell, denunciou hoje a vaga de ataques russos contra infraestruturas ucranianas que provocaram um “apagão massivo” na vizinha Moldova.

“Condenação firme dos renovados ataques criminais da Rússia contra civis e infraestruturas na Ucrânia. Apagões massivos, também na Moldova”, criticou o chefe da diplomacia europeia numa mensagem publicada nas redes sociais.

O representante europeu definiu de “cruel e desumano” deixar milhões de pessoas sem água, eletricidade ou aquecimento durante o inverno e afirmou que face às ações russas, a UE manterá o seu apoio à Ucrânia e à Moldova, este último considerado como o país mais pobre da Europa.



Em junho passado, juntamente com a Ucrânia, a Moldova tornou-se candidata à adesão à UE.

A Moldova registou hoje um “apagão massivo” na sequência de uma nova vaga de ataques efetuados pelas forças russas sobre a vizinha Ucrânia e que voltaram a atingir infraestruturas energéticas, indicou o Governo moldavo.

O vice-primeiro-ministro Andrei Spinu, responsável pelas infraestruturas desta pequena ex-república soviética, afirmou que a empresa que gere a rede “está a trabalhar para que mais de 50% do país volte a ser ligado à eletricidade”.



Segundo os ‘media’ locais, entre as cidades mais afetadas pelos apagões inclui-se a capital Chisinau.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas — mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,8 milhões para países europeus –, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa — justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia — foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.595 civis mortos e 10.189 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Lusa

Para todo o tipo de comunicação, utilizar os seguintes contactos:

Designed by nzaylakasesa,lda.