Domingo, 23 de Junho, 2024

Angola deve tirar proveito do adiamento da dívida da China

O economista e jornalista João Armando defende a necessidade do Executivo angolano tirar o máximo proveito do adiamento, durante três anos, do pagamento da dívida bilateral para com a China.

Recentemente  o governo da China anunciou a suspensão do pagamento da dívida, a partir de  Maio deste ano, de um grupo de 77 países e regiões em desenvolvimento, incluindo Angola.

Para o economista, o dinheiro, neste período de moratória de três anos, cujo processo ainda está em negociações entre as partes, deve ser aproveitado de modo racional, para fomentar a produção interna e devolver o poder de compra aos cidadãos.

João Armando que foi orador nesta quinta-feira, via webinar, no encontro sobre o Desenvolvimento Económico e a covid-19, numa promoção da Câmara de Comércio e Indústria Angola e Alemanha aponta, entre várias prioridades, a manutenção dos serviços já existentes e a recuperação do consumo interno.

”  Há sempre esta tendência quando do há folga no país comprar coisas novas ao invés de se olhar para melhoria daquilo que já existe”, disse João Armando quando respondia a uma questão de um participante no encontro.

Lembrou ainda que não há desenvolvimento económico sem a recuperação do consumo, que no seu entender passa pelo aumento da capacidade de produção e compra interna, por parte das famílias.

Acrescentou que as medidas devem estar vocacionadas para que haja maior consumo  e este, por sua vez, seja suportado pelos “players” investidores que actuam no mercado.

Durante a sua prelecção, João Armando falou sobre as medidas e políticas em curso em Angola  para o alívio económico face ao actual contexto.

O processo de privatização dos activos do Estado, a prestação dos serviços financeiros nas empresas, o actual quadro da política fiscal, as insuficiências  no sector de logística, foram entre outros pontos abordados pelo economista.

Baseada na Alemanha, Rena Terfrutche, bancária e especialista em instituições financeiras de desenvolvimento também falou sobre a estratégia que o seu país definiu para fazer frente à covid-19.

Uma das estratégias foi injectar  1,3 biliões de euros para apoiar o sector da saúde, 50 mil milhões de euros para as micro, pequenas empresas, além da suspensão de taxas.

No encontro foi reiterado, que  a Alemanha mantém o apoio a Angola, através da linha de crédito e a outros países africanos para alavancarem as suas economias.

A linha de crédito do Deutsche Bank da Alemanha de mil milhões de dólares disponíveis para o sector agro- industrial em Angola pode constituir uma das provas do referido apoio.

×
×

Cart